“Eu me lembro de todas as loucuras que você me disse, elas ainda estão na minha cabeça.”
Avril Lavigne.   (via esclarecer)

“Apaguei suas mensagens, exclui suas fotos, joguei fora tudo que me lembrava você. Bateu o desespero e chorei igual uma pré-adolescente quando leva seu primeiro fora. Chorei até dormir e acordei lembrando que havia sonhado com você. Agora nem dormir em paz eu posso mais, ver você se tornou uma questão de fechar os olhos. Não chorei mais, em compensação quebrei meu juramento assim que saí da cama, fui correndo ver suas fotos e jurei de novo que seria a última vez. Fiquei triste o dia inteiro, aí você me procura, inevitável, acabei sorrindo ao ver você falando comigo. Droga, você também não me ajuda.”
Tati Bernardi   (via esclarecer)

“Mas aí, no meio do choro eu pensei: Caramba, o que eu tô fazendo aqui? Tem um mundo lindo lá fora, prontinho pra ser aproveitado, há pessoas que ainda não provaram do meu melhor, ainda há uma vida inteira pra ser escrita. Caramba, o que eu tô fazendo aqui?
Rennan Alves.   (via esclarecer)

“(…) Lembra das suas confusões? Lembra de quando sua cabeça dá voltas e eu seguro a sua mão? Estou dando voltas, parece que entrei em um daqueles brinquedos que gira por um minuto e meio como se fosse uma eternidade e não consigo sair. Deito a cabeça e nada disso para. E fico igual uma criança perdida, igual a você em todos aqueles dias quando eu te puxo para perto e digo que não vou à lugar nenhum. Estou assim, como naquele dia em que sentamos longe e eu decidi que as tuas dúvidas não iam me afastar. Estou precisando sentar do teu lado outra vez, mas essa é a sua vez de me puxar para perto. Porque eu quero que me puxe, mas não sei se posso pedir.”
— Camila Costa. (via querido—john)

“E o riso dela? Era algo absolutamente dominador. Ninguém tinha a menor chance diante dele.”
A Menina Que Roubava Livros.  (via garottodevans)

um beijo lento, demorado, com mordidas, mão na nuca, ou a famosa mao boba mesmo, respiração ofegante, com gostinho de desce mais um pouco.

“Guarda estes versos que escrevi chorando como um alívio a minha saudade, como um dever do meu amor; e quando houver em ti um eco de saudade, beija estes versos que escrevi chorando.”
Machado de Assis (via unpractised)